Os 4 cavaleiros do IA em marketing

02 de agosto de 2021 Por Paloma Costa Sobre Marketing Digital

Inteligência artificial (IA) deixou de ser apenas uma tecnologia moderna para se tornar uma forma lógica de prever o comportamento do consumidor atual online. Através de técnicas inovadoras, o marketing pode encontrar formas mais diretas de se comunicar com o público-alvo, promovendo a divulgação de produtos que se encaixassem em suas preferências e que resolvessem problemas comuns à sua persona.

Os 4 cavaleiros do IA em marketing

Sabe aquele ditado “O futuro se faz agora.”? Pois ele nunca foi tão real!

Claro que essa expressão é sempre realidade, afinal, o futuro depende totalmente do que fazemos no presente. No entanto, cada vez mais, tecnologias ultramodernas são incorporadas no cotidiano de empresas que viram nessas inovações uma base sólida para crescer. 

Não é incomum vermos ferramentas complexas que simulam a capacidade humana de pensar (Inteligência artificial ou IA, para os mais íntimos 😉) fazendo coisas do dia a dia. E nem nos sonhos mais inusitados de Isaac Asimov (aos desavisados que não conhecem Isaac, segue a Wiki do russo) elas teriam sido criadas. Um exemplo são as Alexas, que se tornaram protagonistas até mesmo de vídeos no TikTok!

Inclusive, é impossível falar de marketing sem envolver IA, seja nos odiados algoritmos, nos sistemas de aprendizados que “escutam” tudo e até em redes neurais artificiais, que revelam padrões de comportamento online.

Algumas dessas ferramentas se destacam e são aplicadas por empresas líderes de setor abrindo caminho para milhares de possibilidades. Veja quais:

inteligência artificial

Artificial Intelligence Concept

 

Os 4 cavaleiros do IA em marketing

“Ah, mas por que cavaleiros?” Sem conotação ruim! Essas ferramentas só são utilizadas como porta de entrada do marketing para muitas multinacionais. Os processos iniciais já não são tão efetivos em um mercado competitivo e empresas grandes encontraram no IA uma forma de se prever o futuro.

Processamento de Linguagem Natural

Processamento de Linguagem Natural (PLN), do inglês Natural Language Processing, é uma área que reúne esforços para entender como é processada a linguagem humana. Isso porque, mesmo com toda a tecnologia que temos, máquinas ainda não reproduzem fielmente à comunicação natural, pois utilizam a programação, então precisam se manter em constante processo de aprendizado.

Com o PLN, máquinas conseguem emular nossa forma de falar e reinterpretar isso nos chatbots, por exemplo. Esse tradutor é aplicado por grandes empresas, como a Disney, que utiliza tais canais durante o lançamento de alguns de seus filmes (como o que aconteceu com Zootopia) e permite que os telespectadores “conversem” com os personagens.

Já citamos um chatbot em um case de sucesso com a GMAD. Você pode conferir para descobrir uma forma inovadora de utilizar!

Visão Computacional

Computadores não possuem olhos, certo? Eles contêm processadores ultramodernos que interpretam o mundo externo, muito próximo à visão humana, mas não igual! A intenção é conseguir reinterpretar imagens e resgatar informações “escondidas” ou perdidas que a visão humana não nota conscientemente.

Para ser ainda mais claro temos um exemplo, o Google Cloud. Através da chamada Visual Inspection AI é possível que empresas utilizem imagens para detectar problemas de determinado produto antes do lançamento. Dessa forma, o Cloud garante que a qualidade seja amplificada, sem que exista a necessidade de um técnico.

Machine Learning

Machine Learning diz respeito à análise de uma série de dados para a criação de um modelo de comportamento. É uma ferramenta que permite que empresas saibam o que você gosta ou o que prefere fazer e ofereça serviços que se adaptem melhor às suas preferências.

O Netflix é muito adepto desse formato. Ele consegue analisar todas as suas ações na plataforma e descobrir o que terá vontade de assistir, possibilitando a criação das listas de recomendações (onde passamos horas antes de escolher um filme), colocando as prováveis de serem vistas nos lugares de destaque. 

Deep Learning

Deep Learning, seguindo a linha do Machine Learning, também utiliza o comportamento das pessoas online para determinar um padrão entre as ações. No entanto, o interesse é mais profundo: Procura auxiliar o IA a simular as ações de uma pessoa. Dessa forma, pode-se prever situações, além de fazer reconhecimento de fala e facial. 

Recentemente vimos essa ferramenta ser utilizada de outra forma. A AstraZeneca UK, responsável pela criação de uma das vacinas utilizadas no controle do novo coronavírus, utilizará Deep Learning para analisar a eficácia de compostos sintetizados em laboratório e identificar novos medicamentos para uso em terapias intensivas. Incrível!

 

ia

 

Conhecer essas ferramentas é se adiantar para a chegada de tecnologias cada vez mais eficazes na determinação do comportamento humano, podendo otimizar campanhas e obter mais resultados. Nossa equipe já está de olho nisso e quer conversar sobre o futuro do seu negócio!

Venha tomar um cafézinho ☕  aqui na agência Ade! e se prepare para iniciar um novo capítulo na história da sua empresa!

Paloma Costa